X
Cadastre-se e concorra a um Tablet novinho! O sorteio será realizado no dia 30/09/15.

Ferro e dólar em bom momento

09/08/2013 |
Compartilhar

Sem abandonar a volatilidade que tem dominado o mercado transoceânico de minério de ferro, os preços da matéria-prima completaram na segunda-feira dois meses de alta acumulada, embora o balanço deste ano seja ainda negativo. Esta semana começou com preço de US$ 129,75 por tonelada do produto contendo 62% de ferro, principal referência usada no setor, cotação 18,22% superior à do início de junho, segundo o acompanhamento de índices internacionais feito pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram). Combinada à valorização do dólar sobre o real, de 12,6% neste ano – baseada na diferença entre R$ 2,0460 por dólar comercial em 31 de dezembro de 2012 e R$ 2,3035 na segunda-feira –, a boa notícia está num cenário mais favorável para as mineradoras. 

Analistas de empresas de consultoria e corretoras que seguem os passos da indústria mineral esperam repercussões da nova situação no resultado da Vale no segundo trimestre, a ser divulgado hoje ao mercado. O analista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi, diz não ter dúvida de que o comportamento dos preços e das vendas de minério de ferro vai depender do modelo de desaceleração que a economia chinesa adotar. As estimativas convergem para uma expansão do gigante asiático limitada a 7,5% neste ano, frente aos 11% anuais verificados em meados dos anos 2000.

“A taxa de 7,5%, de qualquer forma, significa um senhor crescimento. Precisamos ver agora se a economia crescerá ou não abaixo disso, levando a China a comprar volume bem menor de commodities (produtos agrícolas e minerais cotados no mercado internacional)”, afirma Galdi. Quanto aos preços, o analista trabalha com projeções entre US$ 110 e US$ 140 até o fim do ano. De 2 de janeiro ao último dia 5, de acordo com o levantamento do Ibram, os preços caíram 11,43%. Na análise anual, entretanto, houve aumento de 46,2% frente a cotação mais baixa, de US$ 88,75 de setembro de 2012.

As exportações brasileiras de minério de ferro reagiram em julho, quando comparadas ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). As vendas somaram 29,7 milhões de toneladas, volume quase 9% maior ante idêntico período de 2012. Frente a junho, as vendas aumentaram 13,8%. Em recente entrevista ao Estado de Minas, o presidente da mineradora Ferrous Resources do Brasil, Jayme Nicolato, afirmou que mantém visão otimista de preços e da demanda da China. Entre os países emergentes, a Índia também promete participação destacada no consumo de minério de ferro, e outra promessa é o Oriente Médio. 

Avaliação semelhante tem feito o presidente da Vale, Murilo Ferreira, em entrevistas à imprensa e encontros com analistas do mercado financeiro. A companhia destina 50% de suas vendas à locomotiva asiática. Indagado, o presidente da mineradora enfatiza a posição do país de maior produtor de aço, respondendo por metade da produção mundial. Sendo assim, não haveria qualquer estranheza na alta proporção de vendas da Vale à siderurgia chinesa. Ferreira observa que tanto a China quanto os demais países emergentes precisam continuar consumindo para satisfazer a necessidade de infraestrutura e de moradia.

Fonte: em.com.br

 

  • Assistência Técnica (19) 2534 9426
  • Administração (19) 2534 9412
  • Vendas (19) 2534 9400
Merax Máquinas e Equipamentos
Avenida Francisco Luiz Rasera, 825   Água Branca   CEP 13425-084   Piracicaba   SP   Brasil
merax@merax.com.br
Desenvolvido por index soluções
Merax Máquinas e Equipamentos
Avenida Francisco Luiz Rasera, 825   Água Branca   CEP 13425-084   Piracicaba   SP   Brasil
merax@merax.com.br
Desenvolvido por index soluções